Família

CAP. 50

 

O mestre de Nilo, Clowis, empurrou-os com um vento frio e forte para longe da sala onde estavam e, congelou as portas com seu gelo eterno. Ao fazer isso Clowis disse aos seus filhos que os amava e ao seu discípulo, o cavaleiro de ouro de Aquário, que ainda não era hora dele lutar.

O portador das grandiosas asas desceu dos céus e arrasou o precioso salão do palácio do Graad Azul. O portador vestia uma armadura complexa de tom negro avermelhado, enormes asas de um negro profundo e extremidades da cor do fogo. Um olhar frio e desesperador fitou Clowis e perguntou:

“Quero a vida de todos vocês humanos tolos. Pensam que podem deter a vontade e o poder dos deuses, mas não podem e não vão. A deusa a quem vocês servem deixou de ser Athena a muito tempo.”

O grande líder do Graad Azul revidou:

“Foi só pra isso que você invadiu essas terras geladas?”

“Não, Vim para impedir que os cavaleiros de Athena descubram como nos usar para destruir nosso pai. E também para vingar a morte de meu irmão direto, Phobos.”

Clowis também acrescentou que iria lutar com ele e mais ninguém. Deimos disse que já fazia tempo que o Graad Azul estava sobre vigilância. E perguntou se Clowis lembrava dos irmãos Atlântida e Atlantis. Ele respondeu que sim e o deus logo disse que os dois eram seventes de Ares desde que eles foram adotados por ele, Clowis.

Na outra sala, os cavaleiros de Athena e os filhos do líder estavam desesperados para abrir as portas que estavam congeladas pelo lado de dentro.

Neste momento Atlântida e seu irmão Atlantis surgem e perguntam qual era o problema. Kalisto diz que o líder estava lutando contra Deimos do outro lado. Os dois, Atlântida e seu irmão rasgaram suas vestes e por baixo delas, cada um vestia uma armadura do exercito de Ares.

“Mas… como vocês…?” gaguejou Anemone. “Nós somos irmãos, como vocês puderam nos trair?” acrescentou Kalisto.

Eles nada falaram. Atlântida de Dolpher ergueu os pés e um poder com o impacto de uma onda levou os cavaleiros de Athena até outra sala. Alantis de Trident lançou um golpe que fez com que a sala permanecesse trancada até que a primeira parte da luta acabasse.

OS filhos de Graad Azul entram em combate paralelamente com a batalha entre Clowis e Deimos.

Lendas Antigas

CAP. 49

 

Depois de ouvir as sabias e confusas palavras de Clowis, os cavaleiros de Athena dizem a ele quais são os problemas que estão sendo enfrentados até o momento.

O guardião do Graad Azul diz que essa guerra é mais velha que ele e que foi muito difícil vencer a batalha contra o deus da guerra. E disse mais:

“Conta as antigas lendas que Ares foi selado faz muito tempo numa região onde agora se localiza a Itália; um lugar pacifico e bem recluso do mundo.”

Ártico interrompeu Clowis perguntando o meio de selar Ares novamente. Nilo advertiu seu discípulo dizendo que não era muito sábio interromper o mestre quando ele fala e pediu para que o Mestre continuasse.

“Como eu dizia, aparentemente pelos fatos ocorridos há rumores de guerras por toda a parte, ou seja, o tal Ares retornou e pelo que diz essa lenda, o deus da guerra retornaria no corpo do primeiro garoto daquele lugar que em seu coração ambicionava ter o mundo em suas mãos. E o jovem Guillermo infelizmente desejou o mundo. A lenda também nos conta que juntamente com Ares, seus filhos relacionados diretamente com a guerra voltam junto dele para liderar suas tropas em grandes batalhões divididos em dois lideres e seis batalhões, e pelas informações recebidas vocês de Athena venceram três, sendo um dos lideres (Phobos) e dois batalhões (Polioxis e Homados). Ainda faltam cinco deuses alem de Ares. Mais uma informação valiosa…”.

A dissertação de Clowis é interrompida por uma linda jovem que cruzava o salão dizendo:

“É preciso conseguir todas as espadas da guerra para poder selar o cosmo de Ares em oito pedaços iguais para que aproximadamente o senhor Ares não nos atrapalhe por 800 anos, como vocês farão isso? Pergunte pro meu pai, eu só li até essa parte.”

Clowis apresentou a bela garota de cabelos azulados como as águas tranqüilas de nome Anemone, nome de sua falecida esposa. Também acrescentou que ela estava estudando as lendas por trás de Ares antes de vocês chegarem.

Nilo chegou perto de seu mestre e pediu educadamente que ele continuasse. Quando ele ia começar a falar sobre como usar as espadas para dividir o cosmo de Ares, um silencio se fez e a sombra de uma grande asa se formou até deixar a luz do Sol negra como a escuridão da noite.

Nessa hora Clowis olhou para seu precioso discípulo e disse:

 

“É chegada à hora, mas não se esqueça, o Nilo é fantástico e tem um poder incrível guardado em algum lugar…”.

Graad Azul

CAP. 48

 

Após realizar a sepultura dos cavaleiros que caíram em batalha, Athena mandou um grupo de busca até o Graad Azul buscar ajuda ou algum tipo de conselho, já que o povo de lá é aliado da deusa.

O grupo selecionado por Athena foi: Nilo de Aquário, Ártico de Coroa Boreal, Bellier de Áries e Hoshi de Sextante.

No caminho o cavaleiro de Aquário disse que já fazia muito tempo que não dava as caras por lá. Bellier perguntou qual era a relação do dourado com as terras do Graad Azul. Nilo respondeu que o líder do povo do Graad Azul era um ex-cavaleiro de Athena que na ultima guerra santa não quis ser o Grande Mestre, dando lugar a outro antigo cavaleiro de ouro, para ficar com seu povo e guardar o lugar onde a alma do imperador dos mares foi selada e esse líder foi aquele que lhe ensinou as técnicas de Aquário.

Chegando ao Graad Azul, um cavaleiro vestindo uma armadura muito parecida com a que Ártico vestia surgiu diante deles os atacando com um poder também muito parecido com os golpes de Ártico. “Crystal Dust!!!” gritava o protetor da entrada do Graad Azul. Ártico rebateu o golpe com seu Diamond Dust, barrando grande parte do golpe, mas caiu com o restante do poder do misterioso cavaleiro.

“Você ficou muito forte, Kalisto de Coroa Austral. Onde está seu pai e meu mestre Clowis?”

“Eu andei treinando. Venham sigam-me, vou levá-los a meu pai.” Respondeu Kalisto.

No caminho até o trono do senhor do Graad Azul, Hoshi perguntou a Ártico o porquê de Kalisto ter uma armadura de Athena. O cavaleiro de Coroa Boreal disse que a antiga Athena presenteou Clowis com a armadura de Coroa Austral como sinal da aliança entre eles, assim Kalisto faz a ponte entre o Graad Azul e o Santuário.

Chegando ao salão principal, no meio do espaço encontrado havia um trono muito grande talhado a ouro, prata e bronze, e assentado nele estava um homem muito bonito, com a pele branca como a neve e os cabelos vermelhos como o fogo e dele emanava um cosmo quente que fazia com que o frio não passasse de uma brisa de verão.

Clowis abriu os lábios e disse com sua voz calorosa.

“Como Nilo é gigante e ao mesmo tempo muito mágico, nunca seca e sempre transborda…”.